Gota a gota, economia de água nas lavouras pode chegar a até 70%

março 29, 2015

Coordenador de plantio em uma usina de açúcar e etanol na região de Ribeirão Preto (SP), o engenheiro agrícola Matheus Uzelotto esteve na 22ª Agrishow em busca de alternativas tecnológicas para enfrentar um dos maiores desafios da agricultura nos últimos anos: economizar água - dados divulgados no último mês pela Agência Nacional de Águas (ANA) apontam que a irrigação é responsável por 72% do consumo de água no Brasil.

 

Em 2014, a usina em que Uzelotto trabalha investiu cerca de R$ 600 mil em um sistema de irrigação por gotejamento - em que uma tubulação subterrânea ou instalada sobre o solo deposita as gotas de água diretamente na raiz da planta. O método foi aplicado em 100 hectares de canavial e os primeiros resultados já começaram a ser literamente colhidos.

 

“A gente ainda está avaliando o primeiro corte da cana, mas a produtividade aumentou cerca de 30%. Se a expectativa continuar boa, que é o que a gente espera, a ideia é aumentar a área de irrigação por gotejamento”, diz Uzelotto, destacando que a economia de água por esse método chega a 70%.

 

Considerado um dos mais eficientes sistemas de irrigação da atualidade, o gotejamento foi desenvolvido há 50 anos em Israel e trazido para o Brasil na década de 1990. De lá para cá, o sistema foi aperfeiçoado e já está sendo aplicado, de forma pioneira, no cultivo de arroz, que geralmente utiliza irrigação por inundação. O resultado é a economia de até um terço de água nessas lavouras.

 

O engenheiro agrônomo Daniel Pedroso explica que apenas um produtor no Rio Grande do Sul está implantando a nova técnica, mas os primeiros resultados mostram que houve aumento de produtividade de 7,5 toneladas para 12 toneladas de arroz por hectare.

 

“Quando você inunda uma área, acaba tirando o oxigênio do solo e a planta precisa desse oxigênio para poder produzir mais. Pelo sistema de gotejamento, você permite uma relação perfeita entre a quantidade de água necessária e o oxigênio”, afirma Pedroso.

 

Gota por gota

 

O sistema de gotejamento é simples: depois de passar pelo encanamento, a água chega às mangueiras de irrigação - que são mais finas - e é aplicada diretamente na terra, em baixa vazão e pressão. Isso possibilita que boa parte não evapore antes de chegar à raiz, como acontece pelo método comum de aspersão - em que os jatos são lançados sobre a plantação, como se fosse chuva.

 

“Além disso, em regiões onde venta muito, parte dessa água é levada para fora da lavoura. Em algumas culturas, também existe um problema que a gente chama de efeito guarda-chuva: a água cai sobre a folha da planta e não chega à raiz. Por isso, o gotejamento evita o desperdício”, afirma Pedroso.

 

O sistema permite ainda a utilização de fertirrigação, que é a aplicação de fertilizantes na lavoura por meio da água irrigada. “É possível controlar quando a plantação vai ser irrigada, quanto de água vai ser utilizado, que zona da lavoura você quer irrigar, tudo automatizado”, diz o engenheiro.

 

Pedroso não nega que o método de gotejamento é mais caro para ser implantado, em comparação com a aspersão, que é mais comum. Entretanto, afirma que o valor pode ser recuperado em até três anos. “Como você acaba produzindo mais e a longevidade da sua cultura é maior, isso acaba sendo diluído ao longo do tempo. No caso do café, por exemplo, às vezes o sistema se paga até no mesmo ano.”

 

Economia de preço

 

Mais barato, o sistema de microaspersão também aparece como alternativa aos agricultores preocupados com o desperdício de água na irrigação de suas lavouras. Apesar de não ser tão eficiente quanto o gotejamento, o método acaba sendo mais econômico que a aspersão comum, porque lança jatos d’água mais finos sobre a lavoura.

 

“Ele tem eficiência de irrigação de 90% porque a perda com evaporação é menor, e também consome pouca energia [elétrica], já que não precisa de bomba. O sistema funciona com a força da gravidade”, explica o engenheiro agrônomo Matheus Nitta, destacando que os tanques com água precisam ser instalados a dois metros de altura do solo.

 

Fabricada em polietileno, uma espécie de plástico flexível, a tubulação para microaspersão é furada a laser e projetada para que os jatos atinjam até 2,5 metros de distância. “A durabilidade é maior porque é mais resistente e tem proteção contra raios UV. Além disso, é mais prático, até dona de casa pode instalar”, afirma Nitta.

 

(Matéria publica pelo site G1, confira na íntegra através do link: http://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/agrishow/2015/noticia/2015/04/gota-gota-economia-de-agua-nas-lavouras-pode-chegar-ate-70.html)

Site by NGSoft.
Remember my preferences